quarta-feira, 18 de maio de 2016

BNT Mercosul começa nesta sexta-feira

Feira de Negócios Turísticos acontece no Centreventos de Itajaí nos dias 20 e 21
Começa nesta sexta-feira (20) a partir das 15 horas, a 22ª edição da BNT Mercosul em Itajaí, Balneário Camboriú, e Beto Carrero. Pela segunda vez a tradicional Feira de Negócios Turísticos tem sede no Centreventos, e espera receber cerca de 7 mil profissionais do ramo durante os dois dias de evento.
Na agenda do primeiro dia visitas técnicas de agentes e operadores, visita aos pontos turísticos, como o Parque Unipraias, Salas de Capacitação com palestras sobre Mato Grosso do Sul, Costa Verde & Mar, República Dominicana, Beto Carrero World, entre outros destinos.
No sábado(21) a programação começa pela manhã. A partir das 8h30 o Infinity Blue Resort e Spa sedia a primeira edição do Business Center, um momento exclusivo para empresas privadas com estandes não compartilhados e com acesso restrito. Estarão presentes representantes da Tam, Trend, Decolar, Hotel Urbano, Visual, Abreutur, CVC, Flytour somando aproximadamente 50 empresários que movimentam milhões em viagens nacionais e internacionais todos os anos.
Seguindo o compromisso firmado no ano anterior, a edição 2016 tem grande foco na capacitação profissional, tanto do agente, quanto das operadoras. As salas seguem com atividades durante o segundo dia de feira, e a palestra de Fred Perillo, consultor e estrategista digital da Agência Nuvem, com o tema “O impacto das novas tecnologias no turismo - O que fazer para se manter competitivo no mercado”, é um dos momentos de maior procura, tendo em vista a importância do meio digital na indústria turística.
Expectativa e futuro
“Se multiplicarmos o número de expositores pelo número de operadoras, chegaremos a 3.000 contatos comerciais aproximadamente” – estima o Diretor de Negócios da BNT, Jair Pasquini. Segundo ele, a movimentação financeira que um evento de turismo deste porte gera só pode ser medida em longo prazo, pois depende de várias empresas desta cadeia.
O diretor-geral, Geninho Goes espera resultados positivos para 2016, e projeta um crescimento de 48% até 2025 por acreditar na sede do evento, um local amplo e que pode atrair grande número de expositores. Geninho acredita que as feiras de turismo têm vida longa, pois o contato B2B segue importante no segmento, e os eventos representam grandes oportunidades de negócios.
Festa dos Campeões de Vendas
A programação culmina no sábado à noite, no Parque Beto Carrero, com a Festa dos Campeões de Vendas. A premiação é entregue às agências que mais venderam Beto Carrero World em 2015/2016, e encerra a 22º BNT Mercosul, o prêmio está entre os mais desejados por agências e agentes de viagens do Brasil e da América do Sul.
No Rio Grande do Sul, a Sigridtur, de Canoas, é a grande campeã de vendas no Estado. 
Feijão Amigo 
O Governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, recebe uma homenagem do Clube do Feijão Amigo na noite de quinta-feira, 19, quando ocorre o tradicional jantar com arroz e feijão da Fenactur – Federação Nacional de Turismo, no Infinity Blue Resort e Spa. O evento recebe autoridades, convidados e é organizado em parceria com o Sindetur/SC, e Abav/SC.
A BNT Mercosul ocorre em 20 e 21 de maio, no Centreventos de Itajaí, com início às 15h em ambos os dias. A Feira conta com o apoio do Governo de Santa Catarina, Santur, Município de Itajaí, Balneário Camboriú e Beto Carrero, e as participações especiais de Balneário Camboriú Convention Visitors Bureau, Governo da República Dominicana, Porto Belo, FUNDTUR, Governo do Estado do Rio Grande do Norte, Costa Verde e Mar, Parque Unipraias, Infinity Blue Resort e Spa, e Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

Participantes profissionais de turismo podem se inscrever através do  site: www.bntmercosul.com.br.
Mais informações pelo email bnt@bntmercosul.com.br
Acompanhe-nos nas redes sociais e fique por dentro das novidades:
Facebook.com/BNTBR, e no Instagram pelo perfil @bntmercosul
fotos: divulgação

Divulgado o ranking da ICCA

"Porto Alegre subiu para o 3º lugar no ranking"

O Brasil caiu uma posição no ranking mundial da ICCA,  International Congress and Convention Association indo de 10º lugar (2015) no para o 11º lugar no ranking divulgado em 2016, entre as cidades que promoveram eventos no padrão ICCA. Em 2014, o País já havia perdido uma posição. 
Entre as cidades brasileiras, Florianópolis subiu uma posição e ficou em 5º lugar no ranking, juntamente com as cidades de Belo Horizonte (de 9ª para 5º) e Recife (de 7º para 5º). No Sul, destaque para Porto Alegre que subiu de 6º para o 3º lugar no ranking da ICCA. 
Entre as cidades a colocação ficou assim:
1º São Paulo
2º Rio de Janeiro
3º Porto Alegre
4º Brasília
5º Belo Horizonte, Florianópolis e Recife
6º Salvador
7º Curitiba
8º Campinas
Ranking das Américas
1º  Buenos Aires e Lima
2º  São Paulo e Vancouver 
3º  Montreal
4º  Santiago do Chile
fonte: : Revista Tradetur/Florianópolis-SC

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Na primeira reunião ministerial Henrique Alves defendeu o setor

“Investir em infraestrutura, qualificação profissional, divulgação e segurança dos destinos turísticos estão entre as prioridades da pasta”

Na primeira reunião ministerial com o presidente interino, Michel Temer, que aconteceu hoje (13), no Palácio do Planalto, o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, defendeu o setor de viagens como uma das atividades que responde com maior rapidez ao combate ao desemprego.
Henrique Eduardo Alves destacou que o turismo, atividade que está presente em todas as regiões do país, proporciona a distribuição de renda em todos os níveis desse segmento da economia. O ministro ressaltou que o “O respeito e reconhecimento ao setor que rapidamente gera emprego e renda vai impulsionar o desenvolvimento regional”.
Henrique Eduardo Alves vai apresentar à equipe econômica do governo as prioridades da pasta.
Investir em infraestrutura, qualificação profissional, divulgação e segurança dos destinos turísticos estão entre as prioridades da pasta, destacando ainda o projeto de criação das Áreas Especiais de Interesse Turístico, locais com licenciamento diferenciado e crédito facilitado. A proposta que tem como objetivo acelerar investimentos privados em regiões com vocação turística já comprovada está pronta.
Ele cita o exemplo da passagem da tocha olímpica que está percorrendo mais de 300 municípios brasileiros e divulgando o Brasil para o mundo até a chegada da Olimpíada, quando todo o planeta estará voltado para o Rio de Janeiro. Ele ressaltou que a passagem da tocha, além de envolver a população local com o espírito olímpico, simbolizado pela chama, tem revelado um Brasil desconhecido, até mesmo dos brasileiros.
Está nos planos do ministro que reassumiu a pasta na última quinta-feira (12), a retomada e o enfrentamento de gargalos que emperram a economia do turismo. A liberação temporária de vistos para turistas americanos, canadenses, japoneses e australianos foi o primeiro passo para atrair mais estrangeiros ao Brasil, principalmente durante a Olimpíada. O ministro também abriu o diálogo sobre a regularização de jogos como forma de aumentar a arrecadação do Estado.
Para ABAV a posse do Ministro representa uma retomada de trabalho

Para Edmar Bull, vice-presidente da ABAV Nacional e presidente da Abracorp o retorno do ministro propiciará a retomada dos temas em que vinha trabalhando – alguns pessoalmente e com muito afinco, como foi o que tratou da questão do IRRF para remessa de valores ao exterior.
“Foram momentos difíceis, mas que nos deram oportunidade de comprovar que diferentemente de tempo, não lhe faltou habilidade e articulação política na condução do tema junto aos ministérios da Economia e da Receita Federal. Tivemos portas abertas nas mais altas e variadas esferas do governo, como nunca antes, e essa é uma dívida de gratidão que temos com o ministro, que fechou conosco nessa causa.”
E finaliza: “Em boas mãos, com autonomia e os recursos necessários, o turismo brasileiro encontrará o caminho da recuperação que o reconduzirá ao crescimento.”
fotos divulgação

ABBTUR e CIETH promovem I Convenção Nacional dos Turismólogos

                                “Turismólogo, Profissão de Interesse Público”
A Associação Brasileira de Turismólogos e Profissionais do Turismo – ABBTUR e o Centro Integrado de Estudos em Turismo e Hotelaria - CIETH promoverão a I Convenção Nacional dos Turismólogos, que acontecerá nos dias 06 e 07 de junho de 2016, no auditório da sede da OAB, no Rio de Janeiro.
A Convenção terá como tema principal “Turismólogo, Profissão de Interesse Público” e o objetivo é promover o encontro de profissionais de Turismo e construir, de forma coletiva, a defesa da formação de nível superior para o Turismólogo, que é considerada uma profissão de interesse público.
Atualmente, a profissão é reconhecida, porém não foi exigida a regulamentação no escopo da Lei 12591/12 quando foi sancionada. Sendo assim, o encontro busca detalhar juridicamente as atividades profissionais exercidas por cada segmento de profissional Turismólogo, de acordo com sua formação de nível superior e apontar necessidades de atualização da matriz curricular do bacharelado e do tecnológico.
Dentre os presentes, representantes do Ministério do Turismo, ABBTUR Nacional, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Comissão de Turismo da OAB-RJ, Comissão de Turismo da ALERJ, Fórum Nacional de Cursos de Turismo e Hotelaria das IES, IBDES – Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Econômico e Social e Coordenadores e Docentes de IES – Instituições de Ensino Superior em Turismo e Hotelaria.
Por meio de depoimentos, será apresentada a justificativa do Turismólogo como profissão de interesse público, imprescindível à prevenção da saúde da coletividade, proteção do patrimônio brasileiro e ao desenvolvimento sustentável.
Na ocasião, será produzido, de forma participativa, um documento para encaminhamento ao poder executivo e ao poder legislativo, que subsidie o detalhamento jurídico da Lei 12591/12 e as atividades profissionais legalmente estabelecidas ao Turismólogo. Será documentada, também, a necessidade de instalação do Conselho Federal de Turismo.
Acontecerá, ainda, o lançamento do livro Manual Jurídico do Turismo, do jurista Dr. Joandre Ferraz. Esta obra, escrita em linguagem acessível e sob forma de perguntas e respostas, é um importante instrumento para gestores, advogados e contadores de Agências de Viagens e Operadoras de Turismo.
No dia 08 de junho, o auditório da OAB-RJ dará espaço ao IV ENCOTHUR – Encontro Nacional de Coordenadores e Docentes dos Cursos de Turismo e Hotelaria, que visa renovar a representatividade do Fórum de Cursos de Turismo e Hotelaria das Instituições de Ensino Superior. O evento tem apoio da ABBTUR e terá o mesmo público-alvo, especialmente coordenadores e docentes de cursos superiores de turismo e hotelaria.
A expectativa é que, durante os 3 dias, circulem pelo local cerca de 300 profissionais, docentes e estudantes de turismo, para que seja dado um importante encaminhamento para o detalhamento da Lei que reconheceu a profissão de Turismólogo no Brasil.
E, aproveitando o período olímpico, ficará como opcional, no dia 09 de junho, a possibilidade de fazer o tour “Roteiro Olímpico”, na cidade do Rio de Janeiro.
Agende-se:
DATA: 06, 07 e 08 de junho de 2016
LOCAL: OAB RJ – Av. Marechal Câmara, 150 – Centro, RJ
HORÁRIO: 09h às 18h
fotos: divulgação


quinta-feira, 12 de maio de 2016

Toma posse ministro do Turismo do governo Temer

"Presidente em exercício empossou Henrique Eduardo Alves em ato no Palácio do Planalto"
O presidente em exercício Michel Temer deu posse nesta quinta-feira (12) aos novos ministros que vão compor o seu governo.
Nomeado como ministro do Turismo por Michel Temer, Henrique Eduardo Alves, vai voltar a ocupar a pasta que deixou quando o PMDB rompeu com o governo.  
Aos 67 anos, ocupou o cargo de deputado federal por 11 mandatos consecutivos, de 1971 a 2015 – todos pelo PMDB do Rio Grande do Norte. Entre 2013 e 2015, foi presidente da Câmara dos Deputados e no início deste ano assumiu o Ministério do Turismo. A instabilidade política e sua ligação com Michel Temer o levou a pedir sua demissão do cargo. Foi o primeiro dos sete ministros do PMDB a sair do governo de Dilma Rousseff.
A menos de 80 dias para as Olimpíadas e Paralimpíadas, é importante que o comando do turismo seja exercido por uma pessoas que já tenha alguma passagem pelo setor turístico, ciente da importância dos mega eventos e seu impacto na imagem do país no mundo. 
Espera-se ainda que o ministro reative e valorize o Conselho Nacional de Turismo que por regimento tem que realizar reuniões trimestrais e que no quase um ano que exerceu o cargo, só teve um único encontro. Como parlamentar, Henrique Alves, sabe que terá no Conselho Nacional uma importante ferramenta de apoio. Afinal, o CNT é o parlamento do turismo brasileiro.
foto: divulgação 

terça-feira, 10 de maio de 2016

Edição 2016 da BNT Mercosul tem foco na capacitação do profissional de turismo

“Feira ocorre nos dias 20 e 21 de maio, em Itajaí, Balneário Camboriú, e Beto Carrero"
Foi aproximando pessoas para a realização de negócios que a BNT MERCOSUL se firmou no mercado como um dos mais importantes eventos de turismo do Brasil.
Ao longo de 22 anos se inovou, fazendo do evento uma oportunidade para o empresário fortalecer seus negócios junto aos Operadores e Agentes de Viagens, garantindo a promoção e o fortalecimento de destinos e atrativos turísticos, em parceria com Estados e Municípios.
A edição 2016  já tem a confirmação  de mais de 30 grupos de FAMTURS de agentes de viagens do Brasil e países vizinhos. A expectativa é de que 400 destinos estarão presentes. Além das marcas tradicionais presente ao evento como Beto Carrero World, Parque Unipraias, Cidade do Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Bahia, Mato Grosso do Sul, este ano participam pela primeira vez o SeaWorld Parks e o Governo da República Dominicana. 
Capacitações
Em 2015, a equipe BNT sentiu a necessidade de aumentar a quantidade de capacitações, de maneira a aprimorar o profissional de turismo. Na edição 2016, está programado pelo menos uma dúzia de capacitações que são de alto interesse aos agentes de viagens, como “O impacto das novas tecnologias no turismo”, “Destino Paraíba”, “Destino Bahia”, “Destino Santa Lucia”, “Republica Dominicana, o maior destino do Caribe”, “ entre outras.
“Há um grande foco na profissionalização e capacitação; ao mesmo tempo, a BNT Mercosul é um evento que busca atender as mais diversas atividades do Turismo de Negócios, então nos adaptamos às necessidades do mercado” – detalha Jair Pasquini, diretor de negócios da BNT.
Um exemplo do que Jair destaca é a grande quantidade de ações durante a feira. No caso de destinos turísticos, o importante é a promoção; já o empresário busca promoção e realização de negócios; no caso do agente de viagens, ele precisa de informações. Desta forma, a feira de negócios, o business center, e as capacitações, atendem três aspectos distintos da mesma indústria.
Turismo profissional
Para um atendimento mais dedicado às operadoras provenientes de seis países, esta edição da BNT conta com o espaço Business Center. Geninho Goes, Diretor Geral do evento, detalha que assim os expositores da feira terão oportunidade de abordar temas mais comerciais.
“Este momento vai elevar ainda mais a qualidade dos negócios, já que vai possibilitar um melhor contato entre os profissionais da área. Nesse momento eles vão abordar temas como tarifários, períodos para reservas e bloqueios e pacotes promocionais”.
Além das atrações durante a feira, a BNT Mercosul organiza um roteiro de visitas técnicas à empreendimentos turísticos das cidades de Balneário Camboriú e Itajaí, e também ao Beto Carrero World.
Para mais informações de como participar, o Agente de Viagens deve encaminhar email para bnt@bntmercosul.com.br ou pelo fone (47) 3367-1119com Tatiane. 
As vagas são limitadas e exclusivas para agentes. Também é possível realizar as inscrições pelo site www.bntmercosul.com.br.
fotos: divulgação

sábado, 7 de maio de 2016

Impactos Econômicos do Turismo de Eventos em Porto Alegre

Na última quarta-feira (04/05) o Porto Alegre & Região Metropolitana Convention & Visitors Bureau apresentou os resultados da pesquisa “Impactos Econômicos do Turismo de Eventos em Porto Alegre”, trabalho que leva a assinatura técnica/científica da Faculdade de Administração, Contabilidade e Economia – FACE, da PUCRS. A pesquisa teve o patrocínio do Shopping Total, de entidades do setor e da Secretaria Municipal de Turismo.  
O estudo mostrou que os 166 eventos de pequeno, médio e de grande porte ocorridos na Capital em 2015, entre congressos, seminários e convenções, movimentaram R$ 182 milhões na economia local, com impacto direto em oito atividades e indireto em mais outras 37 relacionadas com a cadeia produtiva do turismo. Quanto à geração de empregos formais, foram 3.867 mil vagas ocupadas no ano. As principais atividades impactadas foram hospedagem, alimentação, prestação de serviços diversos, de informação e gráficos, comércio varejista e transporte.
Segundo o economista da PUCRS, professor doutor Adelar Fochezatto, que desenvolveu o estudo, os eventos promoveram gastos na ordem de R$ 125 milhões na cidade. “Mas a cada R$ 1 deixado pelo turista foram gerados R$ 1,5, chegando ao total de R$ 182 milhões no conjunto da cadeia produtiva que se relaciona com o turismo de evento”, explicou o economista, acrescentando que o turismo traz o ingresso direto de recursos nas economias locais sem custos intermediários.  Em tributos municipais e impostos estaduais, os eventos resultaram na arrecadação de R$ 20 milhões. Ainda segundo os dados apresentados, entre 2010 e 2014 o número de empregos formais no turismo cresceu 17,4% em Porto Alegre, frente ao aumento de 7% no conjunto dos empregos gerados na economia da cidade. Além disso, em 2014 o turismo respondeu por 2,3% do total dos 780.126 empregos formais em Porto Alegre. 
Para Roberto Snel, presidente executivo do POA Convention & Visitors Bureau a pesquisa mostra a força e o potencial dos eventos de Porto Alegre e região. “Porto Alegre é uma cidade rica em entretenimento, gastronomia, vida noturnas e atrações culturais, por isso temos certeza de que os números revelados pela pesquisa convencerão a todos, da área pública e privada, de que vale a pena investir no turismo, como em estruturas maiores para receber eventos de grande porte, uma conquista que deveremos alcançar pelo trabalho que está sendo desenvolvido pelo poder público municipal com o apoio do trade local”, ressaltou.
O lançamento reuniu no Nós Coworking, parceiro da iniciativa, lideranças, empresários, profissionais do trade turístico, imprensa e convidados.  
A realização da pesquisa contou também com o apoio do Sindilojas, Sindicato de Hospedagem e Alimentação de Porto Alegre e Região (SINDHA), Associação Brasileiras das Empresas Organizadoras de Eventos (ABEOC) e Rech Eventos.
Clique aqui  para fazer o download da pesquisa.
fotos divulgação

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Turismo a 100 dias da Olimpíada

Preparativos, desafios e perspectivas dos megaeventos são o tema de entrevista com o ministro do Turismo
A 100 dias da Olimpíada, o recém-empossado ministro do Turismo, Alessandro Teixeira falou com a Agência de Notícias do Turismo. A entrevista abordou temas polêmicos como o eventual impacto da crise política e do surto de Zika Vírus às vésperas da Olimpíada e Paraolimpíada. O ministro aponta o turismo como uma alternativa para o Brasil retomar o desenvolvimento da economia. 
ANT: O Brasil está preparado para receber a Olimpíada e Paraolimpíada?
AT: Os governos federal, estadual e municipal do Rio de Janeiro têm se esforçado para organizar um evento memorável. Posso afirmar tranquilamente que o Brasil realizará um dos melhores jogos olímpicos de todos os tempos pela experiência acumulada em diversos eventos com públicos distintos. Estou falando da Rio+20, Jornada Mundial da Juventude, primeiro contato com o grande público do Papa Francisco, Copa do Mundo e a Fórmula 1, sendo as últimas duas edições das provas de automobilismo consideradas as mais bem organizadas de todo o campeonato numa eleição entre pilotos e equipes, um público altamente exigente.    
ANT: A instabilidade política do país e troca em importantes pastas ministeriais como o próprio Ministério do Turismo não prejudica a realização dos jogos?
AT: Os principais emissores do mundo já passaram por momentos de acomodação política e sabem que esse é um processo natural nas democracias. Realizamos a Copa das Confederações em meio a diversos protestos de grandes proporções e não registramos nenhuma ocorrência de destaque, nenhum incidente que maculasse a imagem do país. Pelo contrário, reforçamos a nossa reputação de país acolhedor, com uma cultura diversa e natureza extraordinária, reconhecida pelo Fórum Econômico Mundial como a número 1 do mundo. Em uma pesquisa feita na ocasião, 9 em cada 10 turistas aprovaram a experiência no Brasil.
Quanto à troca no comando do Ministério do Turismo, tenho certeza de que se houver algum impacto na realização de jogos, ele será positivo. Devemos lembrar que às vésperas da Copa do Mundo, a pasta ministerial passou das mãos dos ex-ministros Gastão Vieira para Vinicius Lages. O fato só comprova que o MTur tem um corpo técnico competente e uma agenda sólida, como pude comprovar nos primeiros contatos com os colaboradores. Chego para agregar. 
ANT: Como o senhor pretende ajudar contribuir para as preparações dos Jogos Olímpicos e o turismo? 
AT: Vim da área econômica. Nas presidências da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) e da Associação Mundial das Agências de Promoção de Investimentos tive um contato muito próximo com o setor produtivo. Nas secretarias-executivas do Ministério de Desenvolvimento Indústria e Comércio (MDIC) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial (CNDI) também tive uma interlocução estreita com empresários de diversos setores. Acredito que o turismo tem muito a ganhar com a profissionalização da relação entre o mercado e o governo com foco na construção de um ambiente de negócios favorável para o investimento, se construirmos junto uma agenda de desenvolvimento econômico por meio do setor de viagens. Esse é o desafio e os Jogos Olímpicos nos darão um impulso especial para alcança-lo. 
ANT: Os surtos de Zika Vírus e, mais recentemente, H1N1, não afetam a Olimpíada e Paraolimpíada?
AT: O Ministério do Turismo, em conformidade com as orientações do Ministério da Saúde e das declarações e da Organização Mundial da Saúde (OMS), reitera que não há restrição de viagens para regiões com transmissão do vírus Zika. O Governo Federal, em parceria com estados e municípios, adotou diversas medidas que visam proteger não só os brasileiros, mas também os estrangeiros que vierem ao país para os jogos olímpicos. Cabe ressaltar que o período em que serão realizados os Jogos Olímpicos e Paralímpicos é considerado não endêmico para transmissão de doenças causadas pelo Aedes aegypti, como zika, dengue e chikungunya. Em 2015, agosto foi o mês com menor incidência de casos de dengue no país.
Para esclarecimento aos turistas, o Ministério do Turismo disponibiliza em sua página na internet informações sobre saúde do viajante. O conteúdo, disponível nos idiomas português, inglês, espanhol e francês é produzido e atualizado constantemente pelo Ministério da Saúde. As redes sociais da pasta também estão engajadas para levar mais informações sobre o assunto para os usuários, com produção de conteúdo próprio sobre o tema e compartilhamento de publicações do Ministério da Saúde. 
Para o combate ao H1N1, o governo federal está realizando uma grande campanha de vacinação gratuita. Serão imunizadas crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes, idosos, profissionais da saúde, povos indígenas e pessoas portadoras de doenças crônicas ou outras doenças que comprometam a imunidade.
ANT: O que o Brasil tem feito para promover o megaevento, atrair mais turistas internacionais, estimular o turismo doméstico e otimizar o ganho do país com os jogos nesse contexto de recessão econômica que o país vive?
AT: Os megaeventos têm sido o principal mote da participação do Brasil nas maiores feiras de turismo do mundo e outros eventos internacionais desde 2015. O então Ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, participou de uma intensa agenda internacional com ações de relações públicas sempre com o objetivo de convidar agentes e operadores de viagem, autoridades e o público final para participar da Olimpíada e Paralimpíada 2016. O tema foi tratado em missões oficiais para os EUA, Croácia, Itália, Polônia e Rússia, Londres, Espanha, Portugal e França.  
Além disso, temos investido no relacionamento com a imprensa internacional para convidar o mundo a participar da Olimpíada e Paralimpíada 2016, por meio da mídia espontânea. Nesse sentido foram publicados artigos do ministro Henrique Eduardo Alves no Huffington Post nos EUA, El Pais – versão mundial e espanhola, e o Público, em Portugal. A Embratur também tem realizado press trips em parceria com a Secretaria de Comunicação da Presidência da República, ações promocionais junto com o Ministério das Relações Exteriores nas embaixadas de países estratégicos e trabalha nas redes sociais para atrair o público final para o maior evento do mundo. A lógica que impera é fazer mais com menos, por isso o uso das redes sociais e da mídia espontânea. 
A próxima etapa inclui a divulgação de campanhas de marketing nos países beneficiados com a isenção de vistos de 1º de junho a 18 de setembro: Canadá, EUA, Japão e Austrália. 
ANT: Qual a expectativa do turismo com os Jogos Olímpicos e Paralímpicos?
AT: O Brasil deve receber até 500 mil turistas estrangeiros no período dos jogos Olímpicos e Paralímpicos. É importante ressaltar que, para além da atração de turistas internacionais, os megaeventos expõem o Brasil para o mercado mundial. As competições acabam, mas o ganho de imagem permanece. Temos de lembrar que teremos, de acordo com o Comitê Olímpico Internacional, 25 mil profissionais de mídia projetando imagens do Brasil para todo o mundo. 
ANT: Essa expectativa inclui o incremento que pode ser gerado com a isenção de vistos para Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália? 
AT: Sim. De acordo com a Organização Mundial do Turismo, a facilitação de viagens pode gerar um aumento de até 20% no fluxo entre os destinos. Se fizermos as contas, a isenção de visto para essas quatro nacionalidades pode gerar um acréscimo aproximado de 75 mil turistas internacionais e a injeção de US$ 80 milhões na economia brasileira. 
ANT: Os ganhos com os megaeventos, ficarão restritos ao Rio de Janeiro? 
AT: O desafio do governo federal é nacionalizar o evento. Temos no revezamento da tocha a principal oportunidade para projetar destinos de todas as regiões e estados brasileiros para o mundo. A chama olímpica irá percorrer 20 mil quilômetros por estradas e ruas brasileiras e mais 10 mil milhas aéreas. Nesse roteiro, que será transmitido para todo o planeta, mais de 300 cidades irão revelar sua gastronomia, cultura e belezas naturais. 
ANT: A Olimpíada encerra um ciclo de megaeventos. E depois, quais as ações previstas para manter o turismo aquecido e o Brasil entre os destinos desejados no mundo?
AT: A exemplo do que ocorreu na Espanha, em Portugal e até nos Estados Unidos, o turismo tem tudo para ajudar o Brasil a fazer frente à crise econômica. Para isso temos enfrentado os principais gargalos do setor: como qualificação, infraestrutura e sinalização. Atualmente 4,3 mil municípios são beneficiados com obras de infraestrutura turística, num valor total de quase R$ 9 bilhões. Mas é preciso mais. Temos de enfrentar gargalos históricos do setor, melhorar o ambiente de negócios no país para permitir que o mercado desenvolva todas as potencialidades do setor. Nesse sentido, o ex-ministro Henrique Eduardo Alves apresentou à Casa Civil um projeto de lei que cria áreas especiais de interesse turístico, locais com licenciamento diferenciado e crédito facilitado para o investidor. Os marcos regulatórios do setor como a própria Lei Geral do Turismo também precisam ser atualizados. Só assim conseguiremos aproveitar todas as nossas vantagens e gerar emprego e renda. 
ANT: Mesmo no ano da Copa Mundo, o Brasil recebeu menos de 6,5 milhões de turistas internacionais e faturou menos de US$ 7 bilhões com o setor. Os dados não são pequenos diante das potencialidades do país?
AT: Sim, com certeza. Os valores são irrisórios perto do nosso potencial. O México, por exemplo, fatura US$ 17 bilhões com o turismo, sendo que Cancun, responde por US$ 11 bilhões, mais que o Brasil. Para conseguirmos alavancar tanto o quantitativo de turistas que recebemos quanto o montante deixado pelo visitante internacional, temos de olhar o setor de turismo com mais atenção. Ampliar os investimentos em promoção internacional para aumentar a vida útil da mídia espontânea conquistada na Olimpíada e colocar em definitivo o Brasil na lista de desejos dos principais emissores de turistas do mundo. Para usar novamente o exemplo do México, o investimento em promoção internacional daquele país é de US$ 490 milhões, enquanto o Brasil destina menos de US$ 20 milhões para a mesma finalidade. É preciso entender que a promoção internacional é um investimento, não gasto. Tem diversos estudos que indicam que para cada US$ 1 destinado para divulgar determinado destino outros US$ 4 retornam para ele. 
Foto: Paulino Menezes/Ascom

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Dia da Terra é Comemorado nesta sexta-feira, 22 de abril

"Para celebrar a data, países assinam acordo para desacelerar o aquecimento global"

Assim como precisamos cuidar de nossa casa, precisamos dar atenção especial ao nosso planeta Terra, onde habitamos. Ele está doente, pede por ajuda desesperadamente e seus habitantes continuam a ignorar seu apelo. Para tentar lembrar da importância do globo terrestre é que o dia 22 de abril foi instituído como sendo o "Dia da Terra".
E é nesta sexta-feira, 22, que a Organização das Nações Unidas (ONU) espera receber a maior quantidade de assinaturas de chefes de estado para um acordo mundial em um único dia. Em Nova Iorque (EUA), um total de 165 países devem firmar o compromisso de realizar grandes esforços no sentido de reduzir a emissão de gases de efeito estufa na atmosfera terrestre, a adoção de matrizes energéticas mais limpas e o reflorestamento de áreas verdes desmatadas. Para que as metas estipuladas se tornem lei, o governo de cada país deverá articular a aprovação das regras junto aos seus parlamentos.
São inúmeros os prejuízos causados pelo aquecimento da Terra. Entre eles temos o derretimento das calotas polares, que por consequência causa o avanço do nível do mar, e o número de áreas desertas por causa da falta de chuva e do calor extremo, só cresce. Os cientistas dizem que o planeta já esquentou 1 grau (na escala celsius) até agora. Pode parecer pouco, mas é suficiente para desequilibrar a natureza.
A meta da ONU é que as nações se unam para que, ao fim deste século,  a temperatura do planeta Terra suba, no máximo, 1,5ºC em relação ao fim do século XIX.
A presidente Dilma Rousseff, presente ao evento afirmou que as metas do Brasil até 2030 são: reduzir em 43% a emissão de gases do efeito estufa; zerar o desmatamento na Amazônia; reflorestar 12 milhões de hectares de florestas e 15 milhões de hectares de pastagens degradadas; integrar 5 milhões de hectares na relação lavoura-pecuária-florestas; e adotar 45% de energias renováveis na matriz energética.
Doodle do Google
Para não deixar a data passar em branco, o Google preparou uma série de doodles (desenhos) representando a natureza e sua biodiversidade.
Os doodles estão sendo exibidos no buscador do Google  em centenas de países, e em outros serviços mundiais da companhia, como no assistente pessoal Google Now e no navegador de internet Google Chrome.
fotos: divulgação

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Observatório de Turismo do RS apresenta o posicionamento dos destinos turísticos ofertados no mercado

“O objetivo do estudo é monitorar o posicionamento dos destinos turísticos gaúchos no mercado nacional”
Dando continuidade a seu trabalho pioneiro o Observatório de Turismo do Rio Grande do Sul apresentou os destinos turísticos gaúchos ofertados pelas principais Operadoras Turísticas do Brasil. A coleta é realizada todo dia 09 de cada mês. A análise do estudo contemplou 11 municípios ofertados, representando 2,3% dos regionalizados presentes em cinco regiões turísticas.
O mês de abril apresentou um aumento na oferta total dos municípios se comparado aos dados do mesmo mês do ano anterior.
O monitoramento do Observatório do Turismo iniciou em setembro de 2014, e mostrou que dos 472 municípios regionalizados gaúchos, 16 aparecem como opções nas principais operadoras do país, representando apenas 3,39% do total.
A coleta de dados e elaboração foi feita pela estagiária graduanda no curso de Turismo da Estácio Rio Grande do Sul, com supervisão da coordenadora do Observatório,  Marcia Merllo.

Abaixo o relatório apresentado pelo Observatório de Turismo do RS:

  Destinos Turísticos Gaúchos Ofertados pelas principais Operadoras Turísticas Brasileiras – abril/2016

O Observatório de Turismo do Rio Grande do Sul monitora quais os municípios gaúchos estão sendo ofertados pelas 26 principais Operadoras Turísticas do Brasil (em relação ao seu faturamento, segundo a Pesquisa Anual de Conjuntura Econômica do Turismo-PACET, da Fundação Getúlio Vargas – FGV, em 2014 e conforme critérios constantes no Plano de Marketing do Turismo do Rio Grande do Sul 2012/2015 - SETUR), tendo como fonte as suas páginas oficiais na internet. A coleta é realizada todo dia 09 de cada mês. Mesmo quando o pacote refere-se às regiões turísticas, observamos pontualmente quais municípios estão contemplados nele. Levamos em conta sempre o período atual (mês), de análise, e os doze meses anteriores. O objetivo desse estudo é monitorar o posicionamento dos destinos turísticos gaúchos no mercado nacional, oferecendo aos municípios subsídios para a gestão do processo de comercialização. Vale dizer, entretanto, que não significa que estas operadoras são as que mais comercializam o RS, pois estamos tratando apenas da oferta de produtos e não necessariamente da aquisição dos mesmos.
Análise do presente estudo contempla 11 municípios ofertados, o que representa 2,3% dos regionalizados (diminuição de 18% em relação a março). Estes municípios estão presentes em cinco regiões turísticas (20% do total).

A representatividade das Regiões Turísticas no mês de Abril/2016 
Em Abril de 2016, no que se refere às operadoras, a tabela a seguir mostra o número de vezes que cada município foi ofertado: 
Nota: os municípios que não foram ofertados e aparecem com 0 (zero) no quadro acima, foram incluídos porque aparecem na série histórica.

Comparação mês anterior

Comparação Abril 2015 e Abril 2016
Abaixo, é possível visualizar o número de vezes que cada região turística foi ofertada em abril de 2016 em comparação a abril de 2015, apenas ressaltando que Porto Alegre, por ser capital, aparece individualmente como município e não como região:
Neste mês, tivemos um aumento de 3,49% na oferta total dos municípios se comparado aos dados do mesmo mês do ano anterior.

Série Histórica
Considerando os 472 municípios regionalizados gaúchos, apenas 16 aparecem (desde o início da coleta deste tipo de dado pelo Observatório, em setembro/14) como opções nas principais operadoras do país, o que representa 3,39% do total.

Abaixo, segue percentual de participação de cada região turística no total de ofertas pelas operadoras, no período de abril/2015 a abril/2016: 

Coleta de Dados e Elaboração:
Luana Gomes
Estagiária graduanda no curso de Turismo da Estácio Rio Grande do Sul – luana-gomes@turismo.rs.gov.br.

Supervisão:
Marcia Colao Merllo
Turismóloga e Coordenadora do Observatório de Turismo do Rio Grande do Sul l – observatorio@setel.rs.gov.br·.